CONHEÇAM MINHA "FAN PAGE" NO FACEBOOK. PARTICIPEM!

CONHEÇAM MINHA "FAN PAGE" NO FACEBOOK. PARTICIPEM!
CONHEÇAM MINHA "FAN PAGE" NO FACEBOOK. PARTICIPEM! Cliquem na imagem.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

QUAL A DIFERENÇA ENTRE EMPRESA E NÃO EMPRESA? Existem atividades EMPRESARIAIS e NÃO EMPRESARIAIS que têm o objetivo de lucro.

Ao tratar deste tema é sinal de que existem ATIVIDADES EMPRESARIAIS e ATIVIDADES NÃO EMPRESARIAIS, e ambas têm o objetivo de lucro.

Mas, a diferença entre elas é que uma se caracteriza pela PRODUÇÃO e a outra  a QUALIDADE.

Portanto, no Código Civil tem um CONCEITO de EMPRESÁRIO, mas ele se apresenta como uma REFERÊNCIA e não como todos estão acostumados a empregar esse termo.

Conforme o art. 966 do Código Civil, EMPRESÁRIO é QUEM exerce atividade econômica organizada para a produção, circulação de bens ou serviços.

Devemos atentar para o pronome indefinido QUEM, pois a forma de definição de EMPRESÁRIO fora da área jurídica é empregada de maneira equivocada.

EMPRESÁRIO no DIREITO EMPRESARIAL não é uma pessoa, e sim uma forma de exploração de uma atividade, uma vez que existem atividades NÃO EMPRESARIAIS, que são principalmente as atividades dos PROFISSIONAIS LIBERAIS, que mesmo com sociedades não exercem a atividade econômica "organizada" que é uma organização de capital e trabalho, tecnologia, auxiliares e colaboradores que exercem a "produção" atividade fim.

EMPRESÁRIO é uma figura referencial a qual determina “quem realiza a ATIVIDADE ECONÔMICA ORGANIZADA” e  caracteriza uma forma de exploração de uma atividade que é ORGANIZADA (organização de fatores de produção, tecnologia, capital/trabalho, colaboradores e auxiliares que exercem a PRODUÇÃO da atividade fim). O parágrafo único do art. 966 do Código Civil, também diz quem não pode ser considerado EMPRESÁRIO mesmo com concurso de colaboradores.

Assim, se você constitui uma EMPRESA, você constitui uma ATIVIDADE ECONÔMICA "ORGANIZADA", isto é, que tem como elemento caracterizador a PRODUÇÃO. EMPRESA não se confunde com PESSOA JURÍDICA ou com SOCIEDADE. Cada um tem sua definição, pois você pode ter uma Sociedade que não é EMPRESA. Você pode ter uma EMPRESA que não é uma SOCIEDADE, como o EMPRESÁRIO INDIVIDUAL - um único dono de uma EMPRESA que é atualmente EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) criada pela lei 12.441/2011, e assim por diante.

QUEM EXERCE ATIVIDADE ECONÔMICA ORGANIZADA? 

A SOCIEDADE EMPRESÁRIA registrada ou não, o EMPRESÁRIO INDIVIDUAL QUE É UM ÚNICO DONO DE UMA EMPRESA E QUE NÃO TEM REGISTRO  e a EMPRESA INDIVIDUAL DE RESP. LTDA da lei 12.441/2011, que é o EMPRESÁRIO INDIVIDUAL que se registrou. Esses são os titulares. São QUEM exercem essa forma de exploração que é EMPRESÁRIA.

ATENÇÃO!

Não confundam EMPRESA com REGISTRO, pois EMPRESA é o exercício da atividade econômica com metas e fatores de PRODUÇÃO que é QUANTIDADE, portanto podemos ter uma EMPRESA sem registro, como por exemplo uma Mecânica de fundo de quintal. Ela tem metas de produção só que é irregular.

  • Portanto quando falamos que um artista tem seu EMPRESÁRIO, é um equívoco, pois ele tem um AGENCIADOR que é um representante comercial, que possui entre eles um Contrato de Agência conforme o art. 710 do Código Civil.
O CÓDIGO CIVIL evidencia a expressão: EMPRESÁRIO para designar e determinar a diferença entre atividade empresária e não empresária que está no parágrafo único do art. 966.

Nos concursos perguntam sempre. QUEM É O SUJEITO OU TITULAR DA ATIVIDADE ECONÔMICA ORGANIZADA? Resposta - É a SOCIEDADE EMPRESÁRIA com ou sem registro, ou a atual EMPRESA INDIVIDUAL DE RESP. LTDA. ou o EMPRESÁRIO INDIVIDUAL que não possui registro.

Assim podemos dizer:


SOCIEDADES EMPRESÁRIAS COM REGISTRO:
Sociedade em Nome Coletivo, Sociedade em Comandita Simples, Sociedade Limitada (regidas pelo Código Civil) e Sociedade Anônima, Sociedade em Comandita por ações (regidas por lei especial-6404/76 c/c Lei 10.303/2001). Se essas não tiverem registro não terão essas denominações e serão Sociedades de fato.
Podemos descrever também as MICROEMPRESAS (ME) e EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) que estão dentro das Sociedade Empresárias, mas têm imite máximo de Capital Social.A primeira só pode conter Capital Social de até R$360.000,00 e a segunda de até R$3.600.000,00. Podemos criar uma Sociedade de responsabilidade Limitada como uma ME ou EPP. São regidas pela Lei 123/2006. O que quero dizer é terão dois ou mais sócios e terão direito ao Simples Nacional, que é a reunião de vários impostos bem mais baixos.
 Ex. Alimentos ME Ltda. ou Alimentos EPP Ltda.  - É NOME EMPRESARIAL
SOCIEDADES EMPRESÁRIAS SEM REGISTRO:

Não estão denominadas na lei, pois são SOCIEDADES DE "FATO", mas tendo a característica empresarial serão EMPRESAS - O Código Civil denomina SOCIEDADE EM COMUM - art. 986 que é uma situação e não uma nova Sociedade.
NÃO TEM NOME EMPRESARIAL
ÚNICO DONO COM REGISTRO:

Empresa Individual de responsabilidade Ltda. - EIRELI) criada pela Lei 12.441/2011, que não tem limite máximo de Capital Social , e sim, mínimo de 100 Salário mínimo.

Pode formar também MICROEMPRESAS (ME) e EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) que estão dentro das EMPRESAS de UM ÚNICO DONO, mas têm imite máximo de Capital Social. A primeira só pode conter Capital Social de até R$360.000,00 e a segunda de até R$3.600.000,00. Podemos criar uma Sociedade de responsabilidade Limitada como uma ME ou EPP. São regidas pela Lei 123/2006. O que quero dizer é que esse único dono pode ser uma ME ou EPP e terá direito ao Simples Nacional, que é a reunião de vários impostos bem mais baixos.

Ex. Alimentos EIRELI  ME  ou Alimentos EIRELI  EPP (É NOME EMPRESARIAL)
ÚNICO DONO DE UMA EMPRESA SEM REGISTRO

Poderá ser um EMPRESÁRIO INDIVIDUAL que não possui Personalidade Jurídica e não tendo registro  é um EMPRESÁRIO INDIVIDUAL com uma atividade de FATO.
NÃO TEM NOME EMPRESARIAL
São PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO as SOCIEDADES e a EIRELI. Está incluído as ME e EPP, conforme explicações acima - Art. 44 do Código Civil, incisos II,VI.

Portanto o MEI (Micro empreendedor Individual) não está neste artigo, assim sendo não é PESSOA JURÍDICA e consequentemente, não adquire PERSONALIDADE JURÍDICA.  Lembremos que este profissional não se registra na JUNTA COMERCIAL, e sim, na PREFEITURA.O MEI aufere renda até R$ 60.000,00 ao ano.

EMPRESA é a atividade econômica ORGANIZADA que possui FATORES DE PRODUÇÃO. Art. 966 – EMPRESÁRIO é QUEM exerce EMPRESA. QUEM? Soc. EMPRESÁRIA e EMPR. IND. DE RESP. LTDA.

Pode se substituir no conceito de EMPRESÁRIO do art. 966 do Código Civil da seguinte forma: EMPRESÁRIO é quem exerce EMPRESA.

Quando se diz que vai constituir uma EMPRESA, quer dizer que será a constituição de uma ATIVIDADE ECONÔMICA “ORGANIZADA”.

Não se deve falar que vai se constituir uma FIRMA, pois FIRMA é NOME EMPRESARIAL – art. 1155 C.C. Portanto não podemos mais falar em firma individual, pois não se trata de empresa.

Quem exerce EMPRESA é a Sociedade Empresária ou Empresa Individual de Responsabilidade Ltda (EIRELI), inclusive ME, EPP, MEI. Os sócios são EMPREENDEDORES, POIS EMPRESÁRIO É UMA FIGURA REFERENCIAL QUE DETERMINA UMA FORMA DE EXPLORAÇÃO DE UMA ATIVIDADE ECONÔMICA. 

O sócio de uma SOCIEDADE EMPRESÁRIA é o EMPREENDEDOR e não tecnicamente EMPRESÁRIO, pois esta última é uma forma de exploração que é ORGANIZADA (organização de capital e trabalho, tecnologia, auxiliares e colaboradores que exercem a atividade fim). 

Por isso, quando falam que o "empresário" de um artista conseguiu um contrato de shows, digo-lhes que está incorreto, pois este, verdadeiramente é um AGENCIADOR, e tem um Contrato de Agência, como se representante fosse - Art. 710 do Código Civil.

Não confundam REGISTRO com EMPRESA, pois como EMPRESA é uma forma de exploração de uma atividade que tem como base a PRODUÇÃO, não importa se tenha ou não registro, como por exemplo uma "mecânica de fundo de quintal". Esta é uma empresa sem registro, pois tem metas de produção .

DE FORMA MAIS PRÁTICA ESCLAREÇO:

ATIVIDADE EMPRESÁRIA:

EMPRESA - Temos uma FÁBRICA de carros em que os sócios determinaram uma PRODUÇÃO de 1000 carros por mês. A meta é essa, e é concebível. É uma SOCIEDADE EMPRESÁRIA e o elemento caracterizador é a PRODUÇÃO.

Se não tiver sócio pode ser a EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (único dono) da Lei 12.441/2011, em que o nome empresarial é o nome próprio da pessoa escrito ou não o ramo de atividade que será acrescentado com a expressão EIRELI.

É interessante observar que tem a ver com o DIREITO DO CONSUMIDOR. A empresa tem responsabilidade OBJETIVA. Aquela que oferece PRODUTOS ou SERVIÇOS. Art. 3º da lei 8078 de 1990 – CDC. Esta é regra.

EX.
PRODUTOS – Fábrica de aparelhos eletrônicos, Lojas, distribuidores, representantes comerciais, etc.

SERVIÇOS – Administradora de Imóveis, Manutenção de máquinas, etc. que oferecem e vendem seus serviços.

Não façamos confusão de EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA com o MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL mencionado na lei 123/2006 e atualizada pela lei 128/2008. Este é o pequeno empresário – art. 970 C.C.,  que aufere renda bruta anual de até R$60.000,00. Este também exerce atividade ORGANIZADA, mas tem determinadas atividades, como artesãos, etc..

Temos também a MICROEMPRESA (pode ter sócios ou um único dono) e a EMPRESA DE PEQUENO PORTE que são regidas especificamente pela lei 123/2006, que também exercem atividades ORGANIZADAS em que a primeira aufere renda bruta anual de até R$360.000,00 e a EPP de até R$3.600.000,00.


ATIVIDADE NÃO EMPRESÁRIA:

PROFISSIONAL LIBERAL – Temos um consultório MÉDICO em que são três – cada um tem sua especialidade.

É inconcebível que os sócios queiram atingir uma meta de fazer, por exemplo, 20 cirurgias por dia. Aqui não pode existir PRODUÇÃO. O elemento caracterizador desta atividade é a QUALIDADE e cada médico exerce sua profissão, sozinho, isto é, intuito personae. Podemos dizer que exerce individualmente.

Existem serviços, mas não a venda deles. Não é permitido vender esses serviços.

O PROFISSIONAL LIBERAL responde PESSOALMENTE, e é algo diferenciado. Não tem que atingir metas de  produção para obtenção de lucros, apesar de ser necessário para a sobrevivência do profissional. Tem a responsabilidade SUBJETIVA. Art. 14 § 4º da lei 8078 de 1990 – CDC.

Estamos diante de uma SOCIEDADE SIMPLES do art. 997 do Código Civil se tiver sócios, e, o profissional sozinho no consultório sem outros colegas ele é um autônomo. Mas é o MÉDICO.

SOCIEDADE SIMPLES conforme art. 997 do Código Civil tem a forma NÃO ORGANIZADA.

Qual a especialidade do MÉDICO? Exercer a medicina. Não é construir um hospital.  

Qual a especialidade do advogado? Exercer a advocacia, e não consultoria. 

E de um contador? Contabilidade, e não consultoria. 

Portanto, se esses realizam algo que não seja de sua especialidade muda de figura e constituirá elemento de empresa. Ex. Um médico que criar um hospital, lá, ele é um administrador, um empreendedor, e na mesa dele é o "médico". Um advogado que realiza consultoria. O contador que faz consultorias. Neste exemplos temos elemento de empresa. 

Um dentista não pode querer atingir uma meta de fazer tantos canais por dia... é inconcebível, pois como pode fazer um canal em, por exemplo 15 minutos. Pode??? Se este dentista cria uma clínica já mudou de figura... Nesta ele é o dono e na especialidade dele é cuidar de dentes - o "dentista". Temos um engenheiro que criou uma construtora civil - já mudou também de figura, pois aqui ele não é o engenheiro, mas na mesa dele é o "engenheiro". 

Todos esses profissionais tem como elemento principal a QUALIDADE quando realizam seus serviços nas especialidades de suas profissões (médico - medicina; advogado - advocacia; contador - contabilidade; engenheiro - engenharia, etc.) 

Assim como, os profissionais científicos, literários, artísticos, realizarão suas atividades individualmente, como os intelectuais acima do parágrafo único do art. 966 do Código Civil.

Um profissional de natureza literária, podemos ter um escritor. Este demora, muitas vezes anos... para elaborar seu livro. Veja a QUALIDADE... 

Um cientista. Demoram anos para criar uma vacina, pesquisar... temos novamente a QUALIDADE. 

Um artista, quando pinta quadros, temos novamente a QUALIDADE, pois demora tempos para pintar. Não podemos conceber atingir metas, pontuais, pois todas essas profissões do parágrafo único do art. 966 são "imprevisíveis", pois demanda tempo.

Com isso, aqueles que estão no art. 966 parágrafo único formarão uma Sociedade Simples. Se for sozinho será um autônomo, e, continua sendo o profissional não empresário.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

NA ATIVIDADE EMPRESARIAL existe sim o elemento de empresa, mas não é condição determinante para caracterizar EMPRESA, por que para as profissões do parágrafo único do art. 966 do Código Civil, temos auxiliares e colaboradores, com em um consultório médico: enfermeira, auxiliares, que ajudam no atendimento personalizado do cliente.

O elemento que caracteriza a forma de exploração EMPRESÁRIA é a PRODUÇÃO.

  • Quando temos numa fábrica os operários, matéria prima, insumos, gerentes,  vendedores etc. eles trabalham para dar PRODUÇÃO.
  • No consultório médico os auxiliares etc. trabalham para oferecer QUALIDADE. Claro que os PRODUTOS e SERVIÇOS oferecidos por uma EMPRESA têm que ter QUALIDADE, mas não é esse o elemento principal.
Se o médico constituir um HOSPITAL muda de figura. Ele é um empreendedor, que pode ter sócios ou ser o único dono. Tendo sócios pode ser qualquer um. Na mesa dele é o médico.

No momento em que ele vai atender um cliente para exercer a medicina ele é o MÉDICO e não o empreendedor. Exerce individualmente sua especialidade - medicina. Ele não pode vender nada...

Em um HOSPITAL é diferente. A atividade será ORGANIZADA, conforme a segunda parte do parágrafo único do art. 966 C.C. Constituiu elemento de empresa.

Neste dispositivo fala sobre as atividades intelectuais – profissionais Liberais – engenheiro, médico,  advogado, dentistas, etc.; científicas – o pesquisador, cientistas; artística – o pintor de quadros, escultor etc.; literária – autor de livros, doutrinador etc. Todos exercem ATIVIDADE ECONÔMICA "NÃO ORGANIZADA", "NÃO EMPRESÁRIA"

Obs. Não confundamos REGISTRO com EMPRESA, pois podemos ter uma EMPRESA sem registro uma vez que esta última É A ATIVIDADE ECONÔMICA "ORGANIZADA" e REGISTRO caracteriza a REGULARIDADE DA EMPRESA, pois em princípio, os bens pessoais do empreendedor ficam protegidos pelo registro por "dívidas da empresa".  Não tendo registro, os bens pessoais serão atingidos por dívidas da empresa. Tem exceções, mas essa é a REGRA.

Diz a lei que é obrigatório o "registro" no art. 967 Código Civil, porém, o FATO DE NÃO TER REGISTRO NÃO DESCARACTERIZA "EMPRESA". Mas isso discutiremos com mais abrangência em outra postagem. 

Podemos ter uma Empresa sem registro, por que é uma forma de exploração que é empresária, isto é, tem por base a PRODUÇÃO. Ex. mecânica de fundo de quintal - tem todos os elementos de empresa, mas é uma atividade "de fato".

Finalizando, a EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA acima mencionada, tem seu registro obrigatório, pois ela atualmente é PESSOA JURÍDICA, estando no art. 44 , inciso VI, do Código Civil. Se, uma pessoa tem empresa sem registro, será somente um Empresário Individual que é uma empresa "de fato", e, assim, não possui personalidade jurídica.

Toda empresa que tem seu registro na Junta Comercial ou a não empresa que efetua o registro no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, adquirem, "em princípio", a proteção para os bens pessoais dos sócios.

Se desejar saber quais as PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO, é só ir até o art. 44 do CÓDIGO CIVIL.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

ALGUNS ASPECTOS COMPARATIVOS ENTRE SOCIEDADE LIMITADA E SOCIEDADE ANÔNIMA. DIFERENÇAS ENTRE A SOCIEDADE LIMITADA REGIDA PELO CÓDIGO CIVIL E A SOCIEDADE ANÔNIMA REGIDA POR LEI ESPECIAL (LEI Nº 6404/1976 C/C LEI 10.303/2001)

 *INTRODUÇÃO*

Na atual conjuntura, as EMPRESAS estão tomando conta do mercado em todos os setores da Sociedade. Contudo, duas formas societárias são utilizadas, pois são caracterizadas por ATIVIDADES ECONÔMICAS ORGANIZADAS que tem por base a união do capital e trabalho, tecnologia, cadeia de produção e inclusive a produção propriamente dita, circulação de bens e serviços, e principalmente possuem colaboradores e auxiliares que exercem a atividade fim, realizam a produção.
Portanto é importante observar a diferença de Sociedades ou Atividades empresárias e não empresárias, pois existem Sociedades e Atividades que não têm a característica empresária, conforme menciona o parágrafo único do Art. 966, do Código Civil.

Então vejamos:

Em 1850 foi criado o Código Comercial em que estavam inseridas as Sociedades Comerciais, assim como Sociedades em Nome Coletivo, Sociedade em Comandita, Sociedade em Conta de Participações, Sociedade de Capital e Indústria, a Sociedade Anônima e Sociedade em Comandita por Ações até 1940 e a matéria Quebra (falência). Neste caso, vê-se, que quando havia a intenção de constituir uma Sociedade cujo objeto (ramo de atividade) era Comercial - compra e venda, intermediação, distribuição - optava-se por uma das Sociedades do Código Comercial e era registrada na Junta Comercial.

As Sociedades Civis não tinham propriamente uma legislação até 1919. Assim sendo, em 1919, criou-se a Sociedade por Quotas de Responsabilidade Ltda. foi regulamentada pelo Decreto 3708/1919, que hoje denomina-se SOCIEDADE LIMITADA. Aqui os sócios poderiam optar por objeto civil ou mercantil (comercial), e o REGISTRO do Contrato Social da primeira atividade era realizado no Registro Civil de Pessoas Jurídicas e da segunda era na Junta Comercial.Essa Sociedade tinha a natureza híbrida, portanto comportava dois objetos (civil e mercantil), mas ao constituí-la tinham que fazer dois Contratos Sociais e registrar em dois órgãos diferentes.

No Código Civil de 1916 constava apenas a menção de Sociedade Civil, mas existiam as Associações e Fundações que eram e continuam a serem Instituições Filantrópicas, mas reguladas pelo Código Civil. Verificamos que mesmo as Associações e Fundações são Sociedade, pois esse termo nada mais é do que um "grupo que se reúne para um fim comum".

Porém, tudo isso foi transformado, pois a intenção do legislador foi estabelecer um  parâmetro mais prático. Hoje, em vez dos interessados buscarem no Código Comercial um tipo de Sociedade que mais lhe adequar ou em vez de analisar o Decreto 3708/1919, para ver se mais lhe agrada, teremos a resposta no CÓDIGO CIVIL de 2002, que é a Lei 10.406, que uniu todas as SOCIEDADES do Código Comercial e a Sociedade do Decreto 37081919, na parte central deste Diploma Legal.

Todas as Sociedades acima do Código Comercial (Sociedade em Nome Coletivo, Sociedade em Comandita Simples, Sociedade em Conta de Participação, Sociedade por Quotas de Responsabilidade Ltda. - NOVA NOMENCLATURA: SOCIEDADE LIMITADA estão dentro do Código Civil de 2002.

A Sociedade Anônima após o Decreto 2621 de 1940 , passou a ser regulada pela Lei 6404/1976 e atualizada pela Lei  10.303/2001, que são leis especiais, e não Códigos.

Com essa transformação as Sociedades com objetos mercantis e civis com característica empresária podem ser: SOCIEDADE LIMITADA e ANÔNIMA, com seus objetos CIVIS OU COMERCIAIS, juntos num mesmo Contrato ou Estatuto Social. As outras também, da mesma forma, mas não são usadas no mercado.

Contudo, foi criada uma nova chamada SOCIEDADE SIMPLES no Código de 2002, que é aquela que não tem característica EMPRESÁRIA, isto é, a principal diferença é que não possui colaboradores ou auxiliares, que dão a produção, e sim, os seus próprios SÓCIOS é que o fazem. Têm até colaboradores e auxiliares, mas que exercem atividades meias, como contador, recepcionista, mas não têm aqueles que exercem a produção. A SOCIEDADE SIMPLES é como se fosse a Sociedade por Quotas de Responsabilidade Ltda. - antiga - com objeto civil em que eram os próprios sócios que exerciam a produção.

Simplesmente a diferença de uma Sociedade Empresária de uma não Empresária advém de quem dá a PRODUÇÃO. São os sócios ou tem colaboradores que o fazem diretamente? É essa a "conotação", para fins acadêmicos. Se os sócios sozinhos dão a produção é NÃO EMPRESÁRIA.

Na SOCIEDADE SIMPLES temos profissionais que não podem ser considerados empreendedores (empresários), como por exemplo um médico, advogado, engenheiro, que têm respectivamente seu consultório, escritórios, e exercem individualmente sua profissão. Nestes profissionais não existe o elemnto PRODUÇÃO, pois não se pode conceber que um médico queira atingir uma meta, por exemplo, de 20 cirurgias por dia, ou um advogado tenha meta de atender 100 clientes diariamente, e assim por diante. É impraticável,  pois tende-se a seguir a "qualidade" e não a "produção".

Assim sendo temos uma sociedade não empresária quando juntam-se mais de dois profissionais. Quando é um só que tem seu consultório ou escritório, temos o "autônomo". Mas todas são atividade não empresárias - art. 966, parágrafo único do Código Civil. 

Essa Sociedade determina o objeto cvil e não comercial. Na Sociedade Empresária ou atividade empresária temos produtos e serviços de cunho mercantil e o elemento caracterizador é a PRODUÇÃO. Na Sociedade Simples é a QUALIDADE e não a quantidade.

Com esses dados, vamos estabelecer algumas comparações básicas:

*SOCIEDADE LIMITADA*

A natureza desta Sociedade é típica de "pessoas", por que o que importa são aqueles que ingressam para ela. A affectio societatis é o símbolo desta sociedade pois existe a solidariedade. Um por todos e todos por um.

É uma SOCIEDADE EMPRESÁRIA por natureza e está no CÓDIGO CIVIL no art. 1052:

I. Quanto a Responsabilidade dos Sócios:  LIMITADA até o valor de suas quotas e SOLIDARIAMENTE responsáveis pela INTEGRALIZAÇÃO do Capital Social.

Isso quer dizer que quando o sócio não cumpre o que prometeu que é integralizar a sua parte este será considerado SÓCIO REMISSO-devedor. Assim sendo os outros terão que cobrir a parte deste sócio inadimplente. Claro que este poderá ser excluído, mas este é outro tema.

Na Constituição da Sociedade Limitada cada Sócio oferece um valor para integralizar que pode ser em BENS ou DINHEIRO:

Ex. Sócio - A - 300 quotas -  R$30.000,00
      Sócio - B - 400 quotas -  R$40.000,00
      Sócio - C - 300 quotas -  R$30.000,00
      CAPITAL SOCIAL  -   R$100.000,00

Assim, se, por exemplo, o Sócio  não integralizou a parte dele, os outros que o fizeram, estarão SOLIDARIAMENTE RESPONSÁVEIS pela parte não integralizada. Terão que pagar pelo inadimplente.

Lembremos de que o CAPITAL SOCIAL é o MONTANTE DOS "VALORES" OFERECIDOS ao assinar o CONTRATO SOCIAL. Se você prometeu tem que cumprir.

É a célebre frase: "INTEGRALIZAR O CAPITAL SUBSCRITO, isto é, PAGAR O QUE PROMETEU AO ASSINAR O CONTRATO".

II. Quanto a forma de constituição: Da Constituição da Sociedade Limitada: Quando se fala em "Constituição" devemos lembrar de criação, nascimento, origem, assim sendo lembremos de que a SOCIEDADE LIMITADA é regida pelo CÓDIGO CIVIL e todas Sociedades daí são CONTRATUAIS.
 
A Sociedade Limitada é CONTRATUAL, por que nasce pela assinatura do CONTRATO, mas adquire PERSONALIDADE JURÍDICA pelo REGISTRO que sendo EMPRESÁRIA é na JUNTA COMERCIAL. Contudo o REGISTRO tem a natureza Declaratória.

Portanto, nascendo com o CONTRATO SOCIAL e todos os sócios assinando, só adquirirá PERSONALIDADE JURÍDICA com o REGISTRO na JUNTA COMERCIAL. Podemos  verificar que a PERSONALIDADE JURÍDICA, em princípio, protege a pessoa dos sócios e os seus bens pessoais, enquanto que não a adquirindo, a responsabilidade total da Sociedade recairá sobre seus bens particulares.

COM PERSONALIDADE JURÍDICA:

 

SEM PERSONALIDADE JURÍDICA:


Mas, não confundamos SOCIEDADE com PERSONALIDADE JURÍDICA, pois a primeira é um grupo que se reúne para um fim comum, mas não tem a questão de responsabilidade. A partir do momento que se fala em fins econômicos verificaremos que começará a interessar aos sócios, mas estes não podem ficar vulneráveis. Por isso é importante REGISTRAR todos os atos de uma atividade.

Se lhe perguntarem o que é uma PESSOA JURÍDICA você responderá com o art. 44, II, do Código Civil. Se lhe perguntarem o que é SOCIEDADE que é um grupo de pessoas que se reúnem para um fim comum. Também podemos dizer - A Sociedade pode ser com ou sem fins lucrativos. Não necessariamente precisará ter fim econômico. PESSOA JURÍDICA não tem  necessariamente PERSONALIDADE JURÍDICA. Apenas quando a registram é que ela consequentemente adquirirá PERSONALIDADE, pois uma PESSOA FÍSICA nunca adquirirá PERSONALIDADE JURÍDICA.

POR QUÊ?  R. Por que conforme o art. 44 C.C. diz que as PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO são: ASSOCIAÇÕES, FUNDAÇÕES,  as SOCIEDADES e a EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA. Você, por acaso, está lendo Pessoa física?

Assim quando vemos uma PESSOA FÍSICA com uma atividade econômica registrada, com esse raciocínio vê-se que  nunca poderá ser PESSOA JURÍDICA, pois só ela adquire PERSONALIDADE JURÍDICA, assim havendo demanda contra a Pessoa física, ela se responsabilizará pessoalmente por dívidas da atividade econômica que exerce.

III. Quanto a participação dos sócios: A SOCIEDADE LIMITADA sendo uma Sociedade Contratual em que todos os sócios assinam o Contrato para dar criação a mesma, verifica-se que são as Pessoas que assinam que podem ser FÍSICAS ou JURÍDICAS. Por isso podemos ver que essa SOCIEDADE pode ter como sócias PESSOAS FÍSICAS e/ou JURÍDICAS. Claro que as JURÍDICAS serão suas representantes pessoas físicas que assinam o Contrato.

Com isso as SOCIEDADES quanto a PARTICIPAÇÃO DOS SÓCIOS são sociedade de PESSOAS, pois elas se integram entre si, possuem solidariedade, existem aí as conotações "lealdade e confiança" entre todos. Quem participa são os SÓCIOS.

*SOCIEDADE ANÔNIMA*
É uma SOCIEDADE EMPRESÁRIA conforme o art. 982, parágrafo único do Código Civil, que antes era chamada de Sociedade Comercial ou Mercantil, conforme o art. 2 º, parágrafo 1º da Lei 6404 de 1976. Podemos dizer que é uma Sociedade Empresária -Art. 982,par. único, C.C.

Sua origem foi no Código Comercial de 1850, entre os artigos 295/299,  depois passou a ser regulada pelo Decreto 2627/1940; depois Lei 6404/1976 e Lei 10.303/2001.

VÊ-SE CLARAMENTE QUE SE TRATA DE UMA SOCIEDADE COM ANÔNIMOS. Será que eles são importantes, ou será que é o que eles oferecem?

I. Quanto à responsabilidade dos acionistas:

No atual Código Civil, essa Sociedade está mencionada apenas em dois artigos do Código Civil: 1088 e 1089, os quais só dizem sobre a responsabilidade dos acionistas e que é regida por Lei especial. Na Lei especial, 6404/1976, que predomina até hoje complementada pela Lei 10.303/2001, art. 1º, também diz qual a responsabilidade dos sócios.

Portanto,  os acionistas só respondem LIMITADAMENTE pela integralização (pagamento) de suas próprias Ações, e mesmo se algum outro sócio não integralizar a sua parte,  este primeiro não terá que fazê-lo, pois o elemento SOLIDARIEDADE não existe na caracterização desta Sociedade. Não existe a affectio societatis.

II. Quanto à forma de Constituição:

Os passos resumidos do nascimento dessa Sociedade são os seguintes:

1.  CAPTAÇÃO DE RECURSOS OU INVESTIDORES;

2. ASSEMBLEIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO em que deverá ser aprovar um  ESTATUTO SOCIAL e nomeada a ADMINISTRAÇÃO da Sociedade, inclusive o Conselho Fiscal;
3. REGISTRO DA ATA DA ASSEMBLEIA DE CONSTITUIÇÃO  na Junta Comercial, com todas as ocorrências da Assembleia de Constituição incluindo o ESTATUTO SOCIAL aprovado.

Assim, a partir do momento que há o REGISTRO na Junta Comercial essa Sociedade adquire PERSONALIDADE JURÍDICA. Verifica-se que demora em chegar a esta aquisição, e pode se originar de uma Sociedade Limitada, que está exercendo com sucesso sua atividade econômica, e seus sócios resolvem convertê-la em Anônima. Enquanto a Sociedade Limitada está realizando sua atividade, está sendo providenciada a organização da Sociedade em AÇÕES. Quando houver a aquisição de PERSONALIDADE JURÍDICA para a ANÔNIMA a forma Sociedade Limitada não mais existirá.

Muitos pensam que é possível essa conversão de Entidades Filantrópicas para Anônimas, mas isso é inconcebível uma vez que a natureza de ambas é incompatível. Tem que haver a extinção da primeira, para depois CRIAR a segunda.  É diferente do quando você tem um a SOCIEDADE LIMITADA que exerce atividade econômica,  para ANÔNIMA, por que será consequente e direto. 

A Limitada neste caso se extingue, pode se dizer, naturalmente. Mas, as Entidades Filantrópicas, tem outro procedimento.  As filantrópicas que fizeram direto a conversão, atualmente estão recebedo multas pelas irregularidades.                                        

III. Quanto a forma de participação:

Essa Sociedade pode ter como SÓCIOS - Pessoas JURÍDICAS e/ou Pessoas FÍSICAS, mas não importa quem sejam essas pessoas, quen adquire as ações, pois o que interessa para esse tipo de Sociedade é o CAPITAL,  é a captação de investidores, de recursos. Pode ser quem for, e o que interessa é a integralização das ações. Se não existe SOLIDARIEDADE não existirá problema de lealdade e confiança entre eles.

Com  essa natureza, observamos que essa é uma SOCIEDADE DE "CAPITAL", pois o que importa é o que se recebe ($).

Sendo de CAPITAL,  é também uma Sociedade específica para PROJETOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, uma vez que necessita de melhora na educação, saúde, etc. É uma SOCIEDADE INSTITUCIONAL.

Podemos ver nas grandes empresas como Petrobrás, Caixa Econômica Federal, enfim, temos os próprios funcionários que participam destes projetos e são incluídos no ativo da empresa como um plus para o desenvolvimento de um país.

As Sociedades Anônimas são aquelas que devem existir  num país, pois proporciona a circulação de riqueza, empregos, em larga escala e atende aos preceitos constitucionais da dignidade humana, os direitos fundamentais e sociais, de uma nação em desenvolvimento.